quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

REI ARTHUR

Na alma de um menino, a nobreza de um Rei...


REI ARTHUR
Problemas!... Esta é uma palavra que me persegue todo dia. Saio de casa para o trabalho e os problemas vão junto, volto e eles também. Por causa deles, já me chamam de arrogante!
Um dia, resolvi mudar o caminho, só para quem sabe, os problemas pudessem se perder e me esquecerem, um pouquinho só que fosse.
Estava eu, andando, quando ouço do alto do terraço de um sobrado, alguém gritando:
- Ei? Cavaleiro errante! Do quê tens medo? Erga essa cabeça e enfrente vossas batalhas!
Pronto! Não me faltava mais nada! Era um moleque, magrelinho, com uma capa vermelha de plástico, na mão uma espada feita de cabo de vassoura e na cabeça... uma coroa ridícula de papel! E ainda por cima, me chamando de cavaleiro errante! Eu devia estar merecendo mesmo. Tentei ignorar e continuei andando.
- Ei? Cavaleiro errante! Quem pensa que sois vós? Porque não atende ao Vosso Rei?
Ah, não! Aí já era demais! Parei bruscamente, olhei para ele e disse:
- Quem você pensa que é? Nem me conhece!! E fica se achando o dono do mundo!
- Dono do mundo, não! Mas dono do meu castelo e de meu reino! E vós sois meu súdito!
Naquela hora, achei ele bastante chato, mas dei corda...
- Fácil falar daí de cima, não é mesmo? Principezinho...
- Príncipe não! Rei...
- Ah, tá bom! Que Rei?
- Arthur! Rei Arthur! Vossa Majestade!
- Minha, nada! Daí de cima, tudo é tão fácil... Vêm aqui prá fóra do castelo e descubra como a vida é.
- Não posso! Mas, não me escondo atrás de um escudo como vós o bem fazeis! Sou Rei e minha coroa me garante isso! Enfrento minhas batalhas de peito aberto!
- Aí, Arthur? Vou embora, porque você só fala besteira, então... tchau...
Fui para o trabalho e até dei um pouco de risada. Tanta coisa para resolver e aquele conde, duque, sei lá o quê, me chamando de cavaleiro.
No dia seguinte, pensei em mudar o caminho novamente, mas eu tava mesmo a fim de pertubar aquele moleque...Quando me aproximei da casa dele e ele me viu, fui logo gritando:
- E aí? Conde? Matou muitos dragões hoje? Cuidado com o fogo...
- Conde não! Rei! Rei Arthur!...
Disse ele todo alegrinho!
- Não mato dragões, apenas enfrento batalhas. Uma por dia!
Não dei muita trela para ele e fui embora, mas ainda assim ouvi ele gritar:
- Ei? Cavaleiro errante? Sois mais feliz hoje!... Tenhais um bom dia!
O pirralhinho me deixou pensando no que ele falou. Realmente meu dia foi um pouco melhor. Na volta, já à noite, ele não estava lá. Acho que estava assistindo televisão ou dormindo e imaginando coisas.
Vários outros dias era a mesma coisa...Já me sentia um cavaleiro errante, mas disposto a deixar o escudo de lado e resolver meus problemas.
Um dia, eu o ví sem sua coroa. Parei e perguntei:
- Ei? Rei Arthur? O quê aconteceu? Perdeu alguma batalha? Você não têm medo de nada!...
- Quase! E tenho medo sim! Tenho medo do Cavaleiro Negro!
- Ah, personagem novo...sei!
- Em algumas noites, ele vêm me assombrar...Travo uma batalha muito difícil e só assim ele vai embora...Um dia, eu sei, ele me levará para além das montanhas..., mas por enquanto o que me fortalece é o Anjo Branco que me visita todas as manhãs e me traz injeções de ânimo e força. Então reino soberano e absoluto!
Cabisbaixo, se despediu de mim e entrou.
Desconfiei que algo estava errado!
No outro dia, levei para ele uma coroa bem bonita, que eu mesmo fiz. Nunca me imaginei fazendo isso, enfim...Joguei-a para o alto do terraço. Ele sorriu e agradeceu. Colocou na cabeça e disse:
- Diante da grandeza de vossa parte, vou lhe nomear como um outro cavaleiro!
Ergueu sua espada e quase sem fôlego, gritou:
- Vós sois agora o Cavaleiro da Luz! Não tenhais medo! Em vosso caminho, ainda haverá muitas batalhas, mas sabiamente as derrotará, uma a uma! Ide em paz Cavaleiro!...
Nos tornaríamos amigos dalí por diante. Eu e o Rei Arthur! Porque eu comecei a gostar dele. Minha maneira de ver os problemas, agora estava diferente.
Por quatro dias seguidos, eu não o ví no terraço. Mais uma semana e... nada! Os negócios no escritório, estavam melhorando e os problemas foram sendo resolvidos um a um.
Um dia, ví uma senhora varrendo a calçada e perguntei se ela sabia alguma coisa sobre o menino e ela me falou que ele foi reinar além das montanhas!
- Ah, não! A senhora também não! Fiquei indignado!
- Por favor, eu gostaria de saber sobre fatos reais, pode ser?
- Pois bem, disse ela cruzando os braços e me olhando fixamente:
- O Sandrinho estava muito doente. Há anos ele lutava contra uma doença muito grave. Durante algumas noites, parecia que tudo piorava. Ele se debatia em prantos. Pela manhã, a médica dele trazia muitos remédios. Mas acredite ou não, eu acho que eram as histórias do Rei Arthur que ela contava, que o fez ser forte e viver além do que era esperado. Mas eu não quero acreditar que ele tenha morrido. Prefiro acreditar que ele está além das montanhas, enfrentando batalhas e reinando absoluto!
Fiquei sem palavras... Nunca me senti tão insignificante diante do que estava ouvindo... Fui embora e retomei a rotina do trabalho, mas de maneira bem diferente! Tinha que ser forte, afinal agora eu era o Cavaleiro da Luz!
Sempre penso nele...
Os anos passaram... Hoje as pessoas à minha volta, me vêem mais feliz e disposto. Até ganhei novos amigos..., de vez em quando, penso que um dia poderei ser rei...ter meu próprio castelo ! Mas por hora, enfrento batalhas... e sem escudo!
Então, eu pergunto:
- E você cavaleiro errante?... Do quê tens medo?...
Lhú Weiss

8 comentários:

  1. Espero que o rei Arthur tenha encontrado, lá no reino onde ele governa, a paz que nunca encontrou na vida, e que a Weiss tenha aprendido a usar, com mestria, a luz que ganhou.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 20/01/2011

    ResponderExcluir
  2. Lhú, me explica esse texto... é de sua autoria? Se for, me fez chorar. Está brilhantemente escrito, é de grande sensibilidade, e é uma idéia formidável. Se não é seu, parabéns pela escolha. Bem, um dia desses também serei rainha e, enquanto isso, vou lutar minhas batalhas com muito mais coragem.
    Obrigada por compartilhar.
    Beijokas.

    PS: Seu blog está lindo!!!

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga Lhú Weiss, comovente história do pequeno e destemido Rei Arthur. Não há limite para a força da imaginação. Por ela podemos atravessar paredes, voltar no tempo, viajar pelo espaço sideral, conhecer galáxias distantes. Também para a inventividade e o trabalho. Eles nos levam a descobertas, à criação de novas tecnologias, permitem estabelecer metas e ampliar as fronteiras do progresso, ensejam as bases de um mundo novo e permitem a realização de nossos desejos. Imaginação, inventividade e trabalho são aliados para que possamos sobreviver e aproveitar nossa existência da melhor forma possível.

    Parabéns pelo bonito texto deste fim de semana!

    Bjos,

    Edward de Souza

    ResponderExcluir
  4. Very sensitive. I like these stories from the Middle Ages and antiquity. They are so unbelievable and yet so much truth in there ...

    Best wishes from frosty Germany
    Kvelli

    ResponderExcluir
  5. Olá, amiga!
    Não sei como, tentando descobrir seu site a partir do seu nome "Lhú Weiss", fui encaminhado para um post de Junho de 2010 com a deliciosa banda sonora do "Candelabro Italiano"!... Falha minha, não me apercebi de que a net me "atirara" para esse post, levando-me a pensar que o seu blogue estava parado! Desculpe o erro porque, de vardade, está bem vivo, como prova o óptimo texto que aqui nos apresenta!
    Afinal, "cavaleiro errante" parecia eu, pobre de mim!...
    Beijinhos e bom domingo!

    ResponderExcluir
  6. Olá, amiga!
    Que texto mais lindo... uma lição de vida!
    Às vezes reclamamos por tão pouco...
    Amei o seu blog.
    Boa semana!
    Beijinhos.
    Brasil
    ✿ܓܓ ♫
    °º
    •*• ♫° ·.

    ResponderExcluir
  7. Such lovely story!
    Have a happy Monday xx

    ResponderExcluir
  8. Linda amiga!
    Que saudade de você! Ainda hoje estive pensando nas pessoas queridas que há tempos não vejo...e lembrei-me de você!
    Estou em férias escolares, viajei, e agora retorno.
    Quero que saiba que te aprecio de montão! E agradeço a amável visita aos Botões de Madrepérola (acho que vc conhecia o outro...o Anjo).
    Fiquei feliz, volte sempre, pois esse blog literário estará sempre te esperando!

    Essa história comoveu-me muito, e tb pergunto: foi vc que escreveu?
    Beijos,
    Graça Lacerda

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...